20 março 2012

Me permitindo a tentar acertar.



Postei aqui no blog, um texto meu falando sobre lembretes. No caso, havia falado de tres importantíssimos lembretes que eu havia tirado de uns tempos pra cá. Um deles foi para eu nunca me esquecer de mim, em nenhum momento. Pois bem, criei um bloqueio, me auto bloquei pra falar de amor, para falar de sentimentos que fluem dele, afinal de contas eu não estava precisando de amor.

Um tempo depois, postei a seguinte frase: Querido coração, apaixone-se quando estiver pronto. Não quando estiver solitário. Grata. Quando li essa frase pela primeira vez, eu me enquadrei nela. contudo, meu coração nunca foi solitário, eu nunca o deixei solitário - nas mais várias formas de amor. afinal, não existe só o amor de namorados/maridos e semelhantes. há muitas formas de amar. 

Com isso, abri a minha primeira barreira, porque não me apaixonar de novo? Porque eu estava relutando constantemente? mas foi abrir esta primeira barreira que o medo de estar errando por querer um novo alguém depois de 8 meses, de uma relação frustada apareceu. O medo das pessoas não aceitarem, o medo das pessoas falarem, o medo de errar. 

e ai depois de alguns dias me perguntei, a onde é que eu tinha enfiado os meus lembretes, as minhas anotações, meus rabiscos ? ao céu a fora ? errar, não é errado. Acredito que é mais correto errar tentando ser feliz, tentando se achar, acertar. e foi essa a minha decisão e creio que talvez essa tenha sido a mais correta dentre muitas durante muito tempo. Não quero e nunca procurei um príncipe - minhas amigas que o digam - mas sempre quis precisar de alguém e ai eu  acabava classificando como tal. e quer saber de uma coisa? depois de oito meses, quando eu não quis mais precisar, quando eu estava bem amando a todos e a tudo, apareceu um alguém, que é diferente, apareceu enquanto eu não estava olhando. Apareceu enquanto eu estava concentrada em ler um livro, cortar o cabelo, fazer um novo curso, conhecer um bar, assistir a um novo filme. apareceu enquanto eu olhava para todos os outros lados, sem procurar nada. E, de relance, distraída e despretensiosa, acabei achando um alguém que eu não preciso, mas que eu quero sempre comigo.


Precisar de alguém é muita dependência, não é amar a si mesmo, não é querer o próprio bem. Querer alguém do seu lado sempre, sendo que esse alguém é sempre o mesmo, é muito especial, você não se perde, você se mantem, você cresce, é muito amor -  independente de qual tipo de amor estamos lidando.




Bárbara ,




Minhas queridas, não tenho postado aqui no blog por falta de criatividade mesmo. Acho que esse foi um dos únicos textos que consegui escrever, escrevi hoje de manha. De uns dias, tempos pra cá, tenho andando muito racional sabe ? As coisas não estavam fluindo do jeito que deviam. Vou me organizar meninas, e prometo, tentar postar com mais freqüência aqui no blog!  beijos e muitos cheiros.







4 comentários:

Fernanda Ojea disse...

Adorei o texto!

E pode participar do sorteio com o twitter do blog. Não tem problema não.

Bjão

www.compreiporai.com

Teen.Tação disse...

texto lindo lindo lindo *-* fico fascinada com tanta delicadez!



http://teentacao.blogspot.com.br/

Priscilalirow disse...

><amei
beijinhos :)

http://priscilalirow.blogspot.com.br/

Mariana Araújo disse...

Nossa Barbara, amei o texto. Lindo!


http://belezapuraonline.blogspot.com.br